Skip to main content

Qual é o seu maior sonho? Independente do sonho, o grande entrave para a realização de qualquer desejo concreto é o dinheiro. O que muita gente não sabe é que até mesmo este “empecilho” pode ser superado com planejamento financeiro.

Óbvio que isso requer mudanças, novos hábitos, disciplina, organização e foco durante um determinado tempo. Mas seguindo direitinho as metas, você vai ter a certeza de que todo o sacrifício valeu a pena.

Se está disposto a tentar, nós vamos te ajudar. Reunimos aqui as principais orientações de como guardar dinheiro para adquirir um imóvel ou realizar algum outro sonho que dependa disso!

O nosso Guia do Planejamento Financeiro vai contribuir para que você se livre das dívidas, evite os gastos desnecessários, economize sem ficar no aperto, invista de maneira correta e, assim, tenha uma nova vida com mais realizações e com dinheiro no bolso.

Quer saber como? Acompanhe o passo a passo.

Faça as contas

Se você ainda não tem o costume de calcular todas as despesas, comece agora. Não tem como ter planejamento sem saber, ao menos, o quanto você gasta.

Inicie pelas contas fixas. São elas: luz, água, condomínio (se tiver), telefone, internet. Avalie também e faça uma média dos gastos mensais com alimentação, transporte, farmácia.

Após esse passo, totalize as despesas variáveis, aquelas que têm prazo para acabar, como parcela do carro, alguma prestação, fatura do cartão e taxas como IPTU, IPVA, entre outras.

Após calcular os gastos, você tem noção do quanto essas despesas impactam nos seus rendimentos e sabe o que sobra no fim do mês. Esse é o primeiro passo para o seu planejamento e também para traçar as mudanças e ações que precisará para formar a sua reserva financeira.

Mude e economize

Não tem jeito. Se você termina todo o mês no vermelho é um sinal claro que está gastando mais do que pode. E para ter uma reserva financeira, isso precisa mudar.

Você já sabe quais são as despesas fixas e variáveis. Agora reflita sobre os gastos, especialmente os muitos supérfluos, que podem ser evitados, e identificar outros costumes que devem ser mudados para gerar economia.

Por exemplo, se você almoça todos os dias em restaurantes, passe a fazer a comida em casa. Se gosta de levar a família todas as semanas para comer em um lugar diferente, mude a periodicidade para uma vez a cada 15 dias ou a cada 30 dias. Se não quer deixar de sair com amigos, vá, mas consuma menos, ou aceite o convite com uma frequência menor que a atual. E explique o motivo. Os amigos vão entender.

Cheque também o cartão de crédito. Vá pagando as faturas e evite pagar o valor mínimo, se tiver condições de pagar o valor total da fatura. Atualmente, a taxa de juros do crédito rotativo, cobrada sobre o valor restante que você deixou de pagar, é de 14%. Pense duas vezes antes de resolver não quitar o valor na data do vencimento!

Compre apenas o necessário. Aquela roupa nova ou aquela outra compra pode esperar. Foque no seu objetivo e entenda que as renúncias são por um bem maior.

Mude também dentro de casa. Reduza o tempo de banho, não deixe luz acesa sem necessidade, passe o plano da TV paga, da internet e do telefone para o mais enxuto (ainda mais com tantas opções de streaming disponíveis!).

Pesquise os preços dos alimentos, pague as contas até o dia do vencimento para evitar juros. São pequenas mudanças que podem fazer toda a diferença no orçamento.

Guarde parte do salário

Esse pode parecer o passo mais difícil porque na maioria das vezes o salário termina antes do mês, não é mesmo? Mas isso também pode mudar, basta organização.

A melhor estratégia para conseguir guardar parte do salário é nem contar com ele, ou seja, fingir que ele não existe. Para fazer isso, ao elaborar o planejamento financeiro, coloque um valor menor do que você realmente recebe.

O que sobrou vai imediatamente para a reserva. Mesmo sabendo que ele existe, esqueça este recurso. Caso contrário, se no primeiro aperto, você recorrer a este “fundo”, a sua reserva não terá êxito e, muito menos, saldo positivo.

Para poupar dinheiro, defina um percentual do salário e separe todos os meses. A maioria dos especialistas orienta que essa retirada seja de 10% a 20% do valor total dos rendimentos. Se ficar pesado, comece com 5%, mas estipule um período de tempo para aumentar o valor até chegar à porcentagem recomendada.

Por mais difícil que pareça essa etapa, você vai perceber que é totalmente viável e ficará satisfeito porque em pouco tempo é possível compor uma reserva significativa que representará o começo de uma vida nova.

Busque uma renda extra

Se retirar parte do salário não é opção, outra alternativa é encontrar mais uma fonte de renda. Uma atividade secundária pode ajudar a ter um ganho extra e conseguir comprar imóvel.

Se tem algo que você faz bem feito, seja comida para vender, alguma aula ou qualquer oportunidade a mais, faça e consiga mais dinheiro para realizar seus objetivos.

Invista

Investir é sempre um bom negócio. Mas antes de começar pesquise bem o segmento, analise quais os tipos de investimentos mais se adequam à sua realidade e manda ver. Atualmente, há uma infinidade de tipos de investimentos e aplicações e alguns não exigem grandes quantias para começar. Oportunidades não faltam.

Se você não conhece bem o setor e ainda tem receio de arriscar, opte pelos modelos mais tradicionais como, por exemplo, a poupança, onde o dinheiro fica guardado e pode render mais ou título do Tesouro Direto. Essa é uma boa forma de criar uma reserva financeira e aproximar o seu sonho da realidade.

Invista em consórcios

Outra forma de investir e ter um bom retorno é com consórcios. Por meio desta modalidade, é possível adquirir seu imóvel ou outro bem sem pesar no bolso, e com total garantia e segurança.

Na ImobSeguros, por exemplo, você escolhe o valor do crédito ou das parcelas que deseja pagar e pode ser contemplado em lances mensais ou por sorteio.

Entre agora mesmo no site, faça a sua cotação e saiba como é fácil e rápido fazer o seu sonho se tornar realidade.